Empresa Simples de Crédito: características e benefícios

Neste artigo você vai entender mais sobre o conceito de Empresa Simples de Crédito e como ela funciona na prática.

A ESC (Empresa Simples de Crédito), sancionada pela Lei Complementar nº 167/19, atua fornecendo crédito para pequenas e micro empresas através de financiamento, empréstimo ou desconto de recebíveis. A região de atuação da ESC está limitada ao município sede e aos municípios limítrofes.

A fonte de receita é exclusivamente oriunda dos juros recebidos das transações realizadas e o seu volume de operações está limitado ao seu capital social, ou seja, ela só pode emprestar com recursos próprios. 

Qual é o objetivo de uma ESC?

A Empresa Simples de Crédito foi criada pelo governo para incentivar o mercado e impulsionar a economia nacional.

Ela pode ser conceituada como sendo um novo tipo de negócio que realiza operações de empréstimos e financiamentos exclusivamente para pequenas empresas, ou seja, Microempreendedores Individuais (MEI), Microempresas e Empresas (ME) de Pequeno Porte (EPP).

Para André Bravo, COO da Bankme, “estas novas alternativas que vêm sendo legalizadas, democratizam o acesso ao crédito e criam saídas práticas e mais acessíveis que as dos bancos tradicionais”.

Ele reforça que temos um oligopólio bancário no Brasil e é por esse motivo que a inovação é tão importante.

“Até pouco tempo atrás, o Brasil contava com uma lista insignificativa, em termos de números, de bancos. Isso está começando a mudar. As ESCs, securitizadoras, fintechs e novas formas de lidar com o dinheiro e com o lucro chegaram com tudo e são o grande temor dos bancos tradicionais, que trabalham de forma engessada para segurar os clientes e dificilmente liberar crédito a quem precisa”. 

Além disso, trata-se de uma boa oportunidade para quem quer abrir uma empresa e realizar empréstimos, já que a ESC pode ser aberta por qualquer pessoa física que atenda os requisitos legais mínimos.

Gostou deste artigo sobre Empresa Simples de Crédito? Temos um E-book dedicado às suas características técnicas e jurídicas, você o acessa por esse link ou em nossa página de materiais.

Aproveite para conferir este post sobre como funciona e para que serve uma securitizadora, outro modelo de braço financeiro inovador!

Como Antecipar Recebíveis?

Precisar esperar os receita de recebíveis com prazos muito longos é sempre impactante para o capital de giro e as contas do dia a dia.

E para manter a empresa funcionando, aumentar investimento em produção, quitar dívidas jurídicas e ainda fazer o negócio crescer, gestores financeiros tentem a tomar empréstimos ou fazer jogadas que nem sempre são ideais financeira ou tributariamente.

Para esses casos, a antecipação de recebíveis possibilita que empresas recebam o adiantamento da nota fiscal ou cheque de clientes que normalmente pagariam em meses. Esse processo é legal e pode ajudar na saúde do caixa da empresa.

Como saber se devo antecipar recebíveis?

A antecipação de recebíveis é um recurso que pode ser utilizado não apenas para quitar dívidas e folha de pagamento de fornecedores e colaboradores.

Também pode ser um aporte para auxiliar o investimento em crescimento e expansão dos negócios. 

Para medir a necessidade de antecipar recebíveis, antes de mais nada, a empresa precisa fazer um planejamento financeiro e definir a necessidade de capital de giro.

Em todo caso algumas perguntas podem ser úteis para a definição da utilização deste serviço:

  • Meu cliente PJ me paga a prazos muito longos?
  • Isso afeta diretamente o fluxo da minha empresa?
  • Preciso de capital de giro agora para honrar meus compromissos?
  • Tenho um plano de expansão, mas dependo de pagamentos que ainda não recebi?

Respondendo a essas questões, fica mais fácil saber se a antecipação é a solução que você busca e precisa. 

Veja como funciona a antecipação com a Bankme:

1. Sendo fornecedor de um parceiro Bankme, você já tem acesso liberado para antecipar todos os títulos deste cliente com a Bankme sem análise de crédito;

ilustração de acesso ao crédito

2. O fornecedor entra em nosso portal e seleciona o XML ou PDF do título a ser antecipado;

homens se cumprimentando

3. Enviamos um aditivo (ou borderô), discriminando todos os títulos e valores a serem antecipados;

Ciclo pagamento

4. Fornecedor assina este documento e, imediatamente, a Bankme credita o valor em sua conta.

Homem e dinheiro

E não é só isso! Você que é fornecedor e quer antecipar recebíveis de outros clientes que não sejam parceiros da Bankme, pode também. Neste caso, o processo passa pela análise de crédito. 

Agora que você já sabe como funciona a antecipação de recebíveis, ficou mais fácil comparar as condições oferecidas nessa modalidade com outras opções disponíveis. 

E fica aqui mais uma dica: ao escolher uma instituição financeira para tomar crédito, não decida considerando apenas as taxas de juros.

Como funciona uma Securitizadora?

Quando precisamos de dinheiro para tirar ou projeto do papel ou arcar com as contas, o banco é sempre a primeira opção, no entanto, não é a única. 

Como o mercado está sempre inovando, é possível encontrar alternativas para melhorar as finanças da sua empresa, e é sobre uma dessas alternativas que vamos falar nesse artigo.

O que é uma Securitizadora?

Securitizar é transformar direitos creditórios, que podem vir de vendas ou prestações de serviços, em títulos que podem ser negociados no mercado financeiro.

E uma securitizadora, é uma empresa que antecipa os recebimentos do que se vendeu a prazo

Esse tipo de atividade financeira, proporciona a opção de dividir entre vários investidores um risco que ficaria somente com um só credor. Dificultando, assim, uma possível quebra, caso a dívida não seja paga. 

E quais são as vantagens de uma Securitizadora?

Uma grande vantagem de uma securitizadora é que ela permite que a dívida seja usada como um produto financeiro. Dessa forma, sendo manejada por quem entende de capitais. 

Isso movimenta o mercado, já que, por exemplo, uma construtora não precisa mais depender mais do pagamento da compra de um apartamento, parcelada por mais de 30 anos. A empresa recebe todo o dinheiro em troca da transferência da dívida para um ou mais investidores.  

O COO da Bankme, André Bravo, elencou mais algumas das principais características de uma securitizadora e como ela funciona:

  • A Securitização é um procedimento financeiro que converte títulos de crédito (duplicatas, cheques, notas promissórias) a vencer em recurso imediato;
  • Aumento do capital de giro;
  • Melhora a gestão do fluxo de caixa da empresa cliente;
  • Aumenta a capacidade produtiva;
  • Proporciona autonomia sobre seus recursos financeiros;
  • Otimiza rentabilidade do seu dinheiro;
  • Aumenta o poder de negociação junto aos fornecedores (compra à vista);
  • Agilidade no atendimento ao cliente.

A essa altura, você deve estar pensando que toda essa estruturação parece complexa e trabalhosa, e não vamos mentir: é mesmo! Mas,

“é justamente nesse contexto que surge a Bankme. Somos a primeira fintech no Brasil especialista no assunto (criar mini bancos) e cuidamos de absolutamente tudo para que você concentre seus esforços exclusivamente no crescimento da sua empresa, das suas receitas e no fortalecimento da sua cadeia produtiva”, explica André.

Da abertura da sua securitizadora à operacionalização, é tudo por nossa conta!

Gostou de saber disso? Então, acompanhe nosso blog e esteja sempre ligado nos conteúdos que a Bankme traz para você.  

O que você faz para multiplicar o seu dinheiro?

Você já parou para pensar o quanto gastou nos últimos tempos para aumentar a rentabilidade do seu capital?

Quantos cursos, consultorias financeiras e assessorias de investimento são ofertados hoje em dia, e que você como investidor, contrata esperando combinar com seu perfil de investimento.

Além disso, quanto tempo da sua vida você dedica em leituras de jornais, comentários de especialistas e previsões econômicas para tornar o futuro do seu capital um pouco mais previsível?

Desafio é o que move todo empresário de sucesso. É o combustível que leva ao pico da montanha. Por isso, aqui vamos te mostrar quatro desafios que só você, empresário visionário consegue encarar.

 

Você realmente confia que eles podem prever o futuro?

 

Quantos desses fatores externos ditam o valor do seu capital? Dólar, commodities, decisões governamentais (do nosso e de outros países), PIB, preço do ouro, especulação imobiliária… No fim, é muita coisa para administrar!

Aprendemos com a crise do Covid-19 que por mais belas que sejam as previsões econômicas, na realidade elas estão atreladas a fatores completamente externos e que infelizmente não dependem de nós.

Como se não bastasse, até mesmo pensamentos de presidentes interferem no valor das suas ações, como por exemplo os Tweets de Donald Trump que influenciavam instantaneamente na Dow Jones:

 

capital
capital

Em momentos como esse, nem os melhores especialistas conseguem indicar 100% das vezes qual é a melhor decisão a ser tomada, com tempo hábil para que você as processe de maneira lógica.

A realidade é que, frequentemente elas são súbitas e dependem da sorte para serem realmente rentáveis (além de altamente suscetíveis a arrependimentos).

 

Vale a pena tamanha decisão não estar em suas mãos?

 

A instabilidade dos fatores que deliberam o valor do seu patrimônio fazem refletir sobre quais caminhos tomar. Quais aplicações podem ser feitas que compreendem rentabilidade, baixo risco e liberdade de retirada? E são nessas que suas economias estão investidas?

Investimentos sólidos e independentes de instituições financeiras são uma necessidade negligenciada pela criação frenética de consultorias de investimento e bancos virtuais, que tornam o seu dinheiro em uma fonte de renda.

E como avaliamos e identificamos novas possibilidades de renda dentro dos nossos próprios negócios? A independência nem sempre é fácil, mas a solidificação do seu patrimônio é muito mais importante do que a comodidade de uma assessoria, e a tecnologia está aqui para te dar o devido suporte.

 

O que você pode fazer para enfrentar esses desafios?

 

O futuro com o Open Banking:

“O Open Banking está para o sistema financeiro como a internet está para a sociedade. Os benefícios e casos de uso serão visíveis ao longo dos próximos meses e anos”

Presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto –https://www.bcb.gov.br/detalhenoticia/511/noticia

 

A tecnologia é o alicerce do futuro e novos meios de fazer investimentos estão cada dia mais acessíveis com o Open Banking, que facilita o compartilhamento de dados e reduz a assimetria de informação do sistema financeiro. Com isso, diversas possibilidades são abertas para a oferta de produtos e serviços.

Nessa onda, os novos meios de investir propostos pelas fintechs trazem a inovação não apenas por meio da tecnologia, mas pela desburocratização.

Um exemplo é a criação de Mini Bancos, braços financeiros independentes, criados para empresas ou empresários permitindo com que eles trabalhem com o seu dinheiro por meio de operações bancárias, emprestando, financiando e dando oportunidade à pessoas ao mesmo tempo que estipula suas taxas de operação.

Com um investimento como esse, um empresário do setor industrial, por exemplo, pode substituir os bancos na troca dos títulos de dívida que sua indústria gera aos fornecedores, rentabilizando todo o seu investimento com risco zero, já que sua empresa mesmo paga por essas dívidas.

Outra utilidade se encontra no fomento direto à produção, ou seja, a injeção de capital feita diretamente pelo braço financeiro da empresa, sem que ela precise recorrer (ou até implorar) por empréstimos com instituições bancárias. 

As possibilidades que te ajudam a ganhar mais com a independência do seu capital são cada dia mais visíveis. E por isso mesmo volta-se à questão tema do que você leu: “o que você faz para multiplicar o seu capital?”.